• Orquestra Sinfônica Brasileira

Orquestra Sinfônica Brasileira abre Série Mundo homenageando o Azerbaijão

Concerto será dia 6 de abril, na Cidade das Artes. Maestro azerbaijanês Yalchin Adigezalov e pianista brasileiro Cristian Budu são os convidados.


Foto: Cícero Rodrigues



O Azerbaijão, berço de uma cultura musical rica e fascinante que foi passada adiante de geração a geração ao longo de séculos, é o país escolhido pela Orquestra Sinfônica Brasileira para abrir a Série Mundo em 2022. Sob regência de Yalchin Adigezalov e com participação do pianista Cristian Budu, a OSB levará riquezas musicais do país ao palco da Cidade das Artes, dia 6 de abril.


A Série Mundo, que conta com o patrocínio do Bradesco, tem como objetivo celebrar a história e o patrimônio musical de diferentes nações. Em 2022, os países em foco, além do Azerbaijão, são Espanha, Portugal, Israel e França. O concerto em homenagem ao Azerbaijão apresentará uma seleção de obras de dois dos grandes compositores do país: Fikret Amirov (1922 – 1984) e Vasif Adigezalov (1935 – 2006).


Nenhuma outra peça seria mais apropriada para abrir o programa do que o eletrizante Capriccio Azerbaijano, de Amirov. A obra, composta em 1961, se tornou um sucesso imediato e figura entre as mais conhecidas do compositor. Escrito em movimento único, o capricho faz uso de uma sofisticada orquestração, à qual não faltam variedade colorística, melodias de sabor oriental e vigor imaginativo. Elementos folclóricos são cuidadosamente manejados ao longo da composição, garantindo ao ouvinte um mergulho sonoro na terra natal de Amirov.


A música tradicional do Azerbaijão também é inteligentemente incorporada na obra que será ouvida em seguida: o Concerto para Piano nº 3, de Vasif Adigezalov, que terá como solista Cristian Budu. Nesta composição robusta, de fôlego, Adigezalov irmana o folclore azerbaijano e a influência legada de compositores como Bartók, Kachaturian e Prokofiev. Trata-se de uma obra altamente desafiadora em que piano e orquestra se enovelam em um diálogo incisivo de grande força narrativa.


Fonte inesgotável de inspiração, o mugham é um gênero tradicional de composição que influenciou profundamente a música de Fikret Amirov, a quem a segunda parte do programa é inteiramente dedicada. Kyurdi Ovshari foi escrito em 1948 e constitui um dos primeiros ensaios de Amirov no gênero. De imediato, a composição conquistou o gosto do público e rendeu ao compositor prêmios estatais. A espontaneidade fluida do mugham, submetida ao tratamento orquestral, garantiu à peça uma enorme gama de efeitos e grande força expressiva.


Encerrando o programa, a OSB apresenta Conto de Nasimi, balé orquestral que Amirov escreveu em 1973, por ocasião dos 600 anos de Imadeddin Nasimi. A composição é inspirada no destino deste grande poeta místico e pensador que imprimiu sua marca singular no pensamento artístico e filosófico da Terra do Fogo. Ao longo de 10 movimentos curtos – nos quais desfilam os mais variados sentimentos, do desespero à ternura – o compositor recorre a ritmos, entonações e danças folclóricas azerbaijanas.



SOBRE O MAESTRO YALCHIN ADIGEZALOV


​Yalchin Adigezalov é um maestro azerbaijanês, membro da terceira geração de uma famosa dinastia musical. Nasceu em Baku, na família do compositor Vasif Adigezalov.

Em 1982, formou-se na faculdade de piano do Conservatório Estadual do Azerbaijão. De 1984 a 1989 estudou na Faculdade de Ópera e de Regência Sinfônica do Conservatório de Leningrado (Professor Ilya Musin). De 1990 a 1992 foi o primeiro representante do Azerbaijão a estudar na Academia de Música e Artes Cênicas de Viena. Foi também diretor artístico e maestro titular da Orquestra Sinfônica do Estado do Azerbaijão.

De 1991 a 1993, o maestro foi o diretor artístico dos "Festivais MOZART" realizados em conjunto com o governo austríaco, com estreias mundiais de obras de compositores azerbaijanos e austríaco. Já foi maestro da Orquestra Sinfônica Estadual da Rádio da Rússia, da Ópera Acadêmica do Estado do Azerbaijão e do Teatro de Ballet e da Ópera Estadual de Istambul. Desde 2002, Adigezalov tem trabalhado em estreita colaboração com a Ópera Helikon de Moscou.

Yalchin Adigezalov é o primeiro dos músicos azerbaijanos a representar a cultura do país nas melhores salas de concertos do mundo; Barbican Centre, Cadogan Hall, Central Hall Westminster Abbey, Konzerthaus Berlin, Arena di Verona, Smetana Hall Praga, Cidade das Artes e Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Linder Auditorium Johannesburg, Royal Conservatory of Brussels, assim como Riga Merchant Guild, nas salas de ópera de Pequim e Kuwait.

Como maestro sinfônico, tem se apresentado com orquestras como: Royal Philharmonic Orchestra, Orquestra Sinfônica Brasileira, Orquesta Sinfónica del Estado de México, Orquestra Filarmônica de Johannesburg (JPO), L'Orchestra Italiana del Cinema (OIC), Orquestra de Câmara de Viena, Orquestra de Câmara de Zagreb, Filarmonica Brasov (Romênia), Orquestra Sinfônica Karlovy Vary, Sinfônica do Danúbio de Budapeste, assim como - Orquestra Nacional Russa (RNO), Orquestra Sinfônica Acadêmica de São Petersburgo, Orquestras Filarmônicas de Moscou, Riga, Yekaterinburg. Tem se apresentado com solistas notáveis, incluindo Mstislav Rostropovich, N. Petrov, B. Berezovsky, H. Shaham, I. Monighetti, S. Stadler, D. Kogan, I. Biret, G. Onay.

O maestro gravou 15 CDs com a Orquestra Sinfônica Tchaikovsky, Orquestra da Ópera de Istambul, Orquestra Russa de Rádio e TV, Orquestra Sinfônica de Liepaja, Orquestra Sinfônica Nacional da Ucrânia e Orquestra Sinfônica do Estado do Azerbaijão, que foram lançados nos EUA, Coréia (SONY), Turquia, Rússia, Alemanha (NAXOS) e Inglaterra (OLIMPIA).



SOBRE CRISTIAN BUDU


​Indicado pelo próprio Nelson Freire, em sua última entrevista, como seu sucessor, Cristian Budu é citado na Gramophone como "um pianista impactantemente original, com maturidade e compreensão musicais de causar inveja em colegas com o dobro de sua idade", e já se consagra como uma referência na nova geração da música clássica, representando o Brasil juntamente com Nelson Freire na ultra seleta lista “Top 50 Greatest Chopin Recordings” da Gramophone, que reúne apenas 50 das mais antológicas interpretações de Chopin da História.

Cristian é vencedor do renomado Concurso Internacional Clara Haskil, concurso notável por conceder apenas um prêmio e por diversas vezes não ter ganhador, como ocorreu na edição seguinte. Além do Grande Prêmio, Cristian venceu 2 prêmios extras, incluindo o prêmio do público. Tal conquista é considerada pela crítica especializada como a mais importante do piano clássico brasileiro nos últimos 30 anos.

Recentemente, Cristian também ganhou prêmios como Instrumentista do Ano (APCA) e Melhor Concerto do Ano (Guia da Folha). Seu último CD solo ganhou o “Editor’s Choice” na Inglaterra e “5-Diapasons” na França. E novamente na Gramophone (mais importante veículo da crítica internacional), entrou para as atuais listas “Top 10 Recent Beethoven Recordings” e "Top 10 Chopin Recordings”, que incluem gravações históricas de Martha Argerich, Arthur Rubinstein, Maria João Pires, Dinu Lipatti, Murray Perahia e Nikolaus Harnoncourt.

Concertos e convites recentes incluem duos com astros da música clássica como Renaud Capuçon e Antonio Meneses, música de câmara com músicos da Orquestra Filarmônica de Berlim, concertos com Orquestra de Câmara de Lausanne, e recital solo no Verbier Festival. Já solou à frente da Orquestra Sinfônica de Lucerna, Orquestre de la Suisse Romande, Orquestra Sinfônica da Rádio de Stuttgart, e em salas como Jordan Hall, Liederhalle, KKL, LAC de Lugano e Ateneu de Bucareste.

Filho de romenos, Cristian cresceu em Diadema (SP), foi aluno da rede pública de ensino e cursou a Fundação das Artes de São Caetano do Sul. Na infância, Cristian foi integrante do Coral Infantil ECO, dirigido pelo maestro Teruo Yoshida, participando de várias montagens de óperas. Na adolescência, foi também aluno do Instituto Brincante, onde teve aulas de danças e ritmos brasileiros, e conheceu o multiartista Antônio Nóbrega com quem fez diversas parcerias. Nos EUA, integrou um quarteto de música brasileira que venceu o Honors Competition do NEC de Boston.

Nos EUA, hospedou em sua casa os saraus que iniciaram o projeto revolucionário Groupmuse, que tem parceria da Boston Symphony Orchestra. No Brasil, é idealizador do projeto Pianosofia, que tem parceria da Sociedade Cultura Artística e Arone Pianos, na intenção de democratizar o acesso à música clássica através de saraus em residências e ambientes inusitados. Cristian também já fez diversas parcerias com projetos sociais como Projeto Integração e Liga Solidária, e é hoje conselheiro voluntário do Projeto Casulo.



PROGRAMA

Fikret Amirov – Capriccio Azerbaijano

Vasif Adigezalov – Concerto para Piano e Orquestra nº 3

I. Andantino

II. Andante con moto

III. Allegro non troppo

Fikret Amirov – Kyurdi Ovshari – Mugham Sinfônico

I. Introdução. Allegro moderato

II. Ovshari. Più mosso

III. Shakhnaz. Incalzando

IV. Kürd. Allegro

V. Mani. Largamente

Fikret Amirov – Conto de Nasimi

I. A Dança dos Carrascos

II. Monólogo de Nasimi

III. Primeiro dueto de Nasimi e sua amada

IV. Dança das meninas com Nasimi e sua amada

V. A Invasão

VI. O Sofrimento das Meninas

VII. Segundo dueto de Nasimi e sua amada

VIII. Protesto de Nasimi

IX. Luta

X. Imortalidade



SERVIÇO

OSB - Série Mundo | Azerbaijão

Yalchin Adigezalov, regência

Cristian Budu, piano

Dia 6 de abril, às 19h30

Local: Cidade das Artes | Grande Sala (Avenida das Américas, nº 5.300 – Barra da Tijuca, Rio de Janeiro)

Ingressos: R$ 70,00 (R$35,00 meia)



MAIS INFORMAÇÕES PARA IMPRENSA

Érica Avelar | erica.avelar@osb.com.br

(21) 98119-4559


Logotipo-GiroOSB-1.png

todas as notícias da orquestra