top of page
  • Orquestra Sinfônica Brasileira

Orquestra Sinfônica Brasileira Jovem se apresenta pela primeira vez no Teatro Riachuelo Rio

Sob regência do maestro Anderson Alves, grupo musical apresenta repertório totalmente brasileiro


Com um programa composto por música brasileira, a Orquestra Sinfônica Brasileira Jovem se apresenta pela primeira vez no Teatro Riachuelo Rio, dia 1º de novembro, sob regência do maestro Anderson Alves. O repertório é formado por obras de César Guerra-Peixe, Edmundo Villani-Côrtes, Luiz Gonzaga, Pixinguinha e Tom Jobim.


Este será o sexto concerto do grupo recém-formado. A OSB Jovem renasce como orquestra social plural e diversa, que tem por princípio o desenvolvimento e o fortalecimento da diversidade, da equidade e da inclusão por meio da música, a fim de fomentar nos alunos e professores uma consciência social e o senso de comunidade. Os integrantes foram selecionados por meio de um processo que levou em consideração critérios específicos como renda familiar, gênero e autodeclaração de raça.


A apresentação tem início com uma obra de um dos maiores compositores nacionais do século XX. Inspirada no som das rabecas do folclore nordestino, Mourão, de César Guerra-Peixe, é considerada um hino ao Movimento Armorial, iniciativa artística que tinha como objetivo construir um conjunto de obras em que o elemento erudito fosse fundido ao elemento cultural popular.


Uma das peças mais tocadas de Edmundo Villani-Côrtes, o Baião das Cinco Miniaturas Brasileiras dá sequência ao espetáculo. Dentro de uma linha que caminha harmoniosamente entre o erudito e o popular, suas composições representam o retrato vivo da cultura brasileira.


Luiz Gonzaga se faz presente no repertório com Gonzagueando, um pot-pourri em homenagem ao compositor com uma seleção de alguns de seus maiores sucessos. A obra conta com arranjo de Jamberê Cerqueira.


Em seguida, a jovem orquestra interpreta composições de Pixinguinha, representante ilustre do choro brasileiro. Entre elas, Os Oito Batutas, Quem é Você e Pula Sapo, todas com arranjo do maestro Anderson Alves.


Encerrando com chave de ouro, Tom Jobim marca presença com Passarim, com arranjo de Anderson Alves, Águas de Março, com arranjo de André Mehmari, O Morro Não Tem Vez, com arranjo de Anderson Alves e Garota de Ipanema, com arranjo de Paulo Aragão.


Com o retorno da OSB Jovem, a Orquestra Sinfônica Brasileira reafirma seu compromisso com a educação musical, presente em tantos outros projetos da instituição. O objetivo é apoiar a renovação do cenário musical do Brasil, oferecendo a estrutura necessária para uma experiência completa de formação de jovens músicos. Um espaço no qual eles poderão aperfeiçoar técnica instrumental, ampliar repertório e receber mentoria de alguns dos maiores músicos do país. Em sua retomada, a OSB Jovem conta com apresentação da Shell.



A ORQUESTRA SINFÔNICA BRASILEIRA:

Fundada em 1940, a Orquestra Sinfônica Brasileira é reconhecida como um dos conjuntos sinfônicos mais importantes do país. Em seus 83 anos de trajetória ininterrupta, a OSB já realizou mais de cinco mil concertos e é reconhecida pelo pioneirismo de suas ações, tendo sido a primeira orquestra a realizar turnês pelo Brasil e exterior, apresentações ao ar livre e projetos de formação de plateia.

Composta atualmente por mais de 70 músicos brasileiros e estrangeiros, a OSB contempla uma programação regular de concertos, apresentações especiais e ações educativas, além de um amplo projeto de responsabilidade social e democratização de acesso à cultura.




Sobre a Shell Brasil: Há 110 anos no país, a Shell é uma empresa de energia integrada com participação em Upstream, no Novo Mercado de Gás Natural, Trading, Pesquisa & Desenvolvimento e no Desenvolvimento de Energias Renováveis, com um negócio de comercialização no mercado livre e produtos ambientais, a Shell Energy Brasil. Aqui, a distribuição de combustíveis é gerenciada pela joint-venture Raízen, que recentemente adquiriu também o negócio de lubrificantes da Shell Brasil. A companhia trabalha para atender à crescente demanda por energia de forma econômica, ambiental e socialmente responsável, avaliando tendências e cenários para responder ao desafio do futuro da energia.



PROGRAMA:

CÉSAR GUERRA-PEIXE - Mourão


EDMUNDO VILLANI-CÔRTES - Cinco Miniaturas Brasileiras

V.Baião


LUIZ GONZAGA | Arr: Jamberê Cerqueira - Gonzagueando


PIXINGUINHA | Arr: Anderson Alves - Os Oito Batutas


PIXINGUINHA | Arr: Anderson Alves - Quem é Você


PIXINGUINHA | Arr: Anderson Alves - Pula Sapo


TOM JOBIM | Arr: Anderson Alves - Passarim


TOM JOBIM | Arr: André Mehmari - Águas de Março


TOM JOBIM | Arr: Anderson Alves - O Morro Não Tem Vez


TOM JOBIM | Arr: Paulo Aragão - Garota de Ipanema



SERVIÇO:

Orquestra Sinfônica Brasileira Jovem

Dia 1º de novembro (quarta-feira), às 19h

Local: Teatro Riachuelo Rio (R. do Passeio, 38/40 - Centro, Rio de Janeiro)

Ingressos: Plateia VIP R$ 90,00 (inteira) e R$ 45,00 (meia-entrada)

Plateia R$ 70,00 (inteira) e R$ 35,00 (meia-entrada)

Balcão Nobre R$ 70,00 (inteira) e R$ 35,00 (meia-entrada)

Balcão R$ 39,00 (inteira) e R$ 19,50 (meia-entrada) Ingressos à venda na bilheteria do Teatro Riachuelo Rio e no site Sympla



MAIS INFORMAÇÕES PARA IMPRENSA:

Érica Avelar

erica.avelar@osb.com.br

(21) 98119-4559



コメント


Acompanhe tudo sobre a orquestra que toca o Brasil

bottom of page